Genética

f-gen

A evolução da genética em favor da medicina fetal

Para os profissionais da área médica que acompanham a evolução da genética médica, a Fetus oferece uma ampla variedade de exames diagnósticos pré-natais. Para isso, a clínica tem como parceiras alguns dos principais Centros e Laboratórios de Genética do país. Dessa forma, médicos e pacientes têm à disposição todos os exames disponíveis dentro da genética pré-natal em um só lugar.

Teste Cromossômico Clássico ou Molecular (Cariótipo Fetal)

O diagnóstico pré-natal permite a detecção de doenças genéticas ainda durante a gravidez. Realizado em:

  • Vilosidades Coriônicas (biópsia de vilo corial);
  • Líquido Amniótico (amniocentese);
  • Sangue fetal (cordocentese).

Na maioria dos casos o resultado é normal, tranquilizando as famílias e permitindo uma gravidez sem ansiedades.

1 – Indicações para o Diagnóstico Pré-Natal (Exame Cromossômico durante a Gravidez)

  • Idade materna elevada (acima de 35 anos): o risco do bebê ter problemas causados pela presença de um cromossomo a mais (trissomia), especialmente a trissomia do 21 (que causa a síndrome de Down), aumenta significativamente com a idade materna.
  • Anormalidade fetal na gravidez: A identificação de defeitos anatômicos no feto é cada vez mais precoce. Muitas dessas malformações congênitas estão ligadas à cromossomopatias. Portanto, é mandatória a realização do estudo cromossômico do feto nestas situações.
  • Casal com translocação cromossômica: Se já existe o conhecimento de que um dos pais é portador de uma anomalia cromossômica, é indicado diagnóstico pré-natal em toda gestação do casal.
  • Criança prévia com doença genética: indicações por risco aumentado de cromossomopatia fetal:
    • Criança anterior com anormalidade cromossômica
    • Criança anterior falecida com malformações múltiplas sem diagnóstico
    • Anomalia cromossômica em parentes de 1o e 2o grau
    • História de infertilidade prévia do casal
  • Indicações por risco aumentado de doença gênica ou multifatorial:
    • Doença gênica em um dos membros do casal
    • Doença gênica em criança prévia ou história de doença gênica na família do casal
    • Consanguinidade do casal
    • Criança prévia com defeito de fechamento de tubo neural
    • Exposição materna a agentes teratogênicos
    • Ansiedade materna excessiva
    • Casais com história de perda fetal: dentre os casais com perdas fetais repetidas, uma proporção apresenta alterações cromossômicas.
Teste Cromossômico Molecular em Material de Aborto

Havendo morte fetal em uma gravidez em curso, o procedimento ideal é a realização de uma biópsia de vilo corial ou uma amniocentese para conseguir material do feto de forma estéril para estudo cromossômico.

É realizada análise para diagnóstico das principais causas cromossômicas de perda de gravidez:

  • Trissomia 13: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 13 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Patau.
  • Trissomia 16: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 16 .
  • Trissomia 18: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 181 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Edwards.
  • Trissomia 21: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 21 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Down.
  • 45,X: A monossomia X é causada pela ausência de uma cópia do cromossomo sexual X e clinicamente é conhecida como Síndrome de Turner. Todas as afetadas são meninas.
  • Triploidia.
Triagem Molecular de Trombofilia
  • Grávidas com trombose venosa;
  • Gravidez com restrição de crescimento intrauterino;
  • Grávidas com descolamento de placenta;
  • Grávidas com história familiar ou pessoal de tromboembolismo;
  • Grávidas com pré-eclâmpsia;
  • Pacientes com trombose pós-parto;
  • Pacientes com perdas fetais repetidas de 1º trimestre;
  • Pacientes com perdas fetais de 2º trimestre;
  • Pacientes que fazem ou farão uso de pílula anticoncepcional;
  • Pacientes em terapia hormonal para menopausa.
Teste de Paternindade por DNA (Pré-Natal)

O teste em DNA pode ser feito em qualquer célula e tecido, inclusive antes do nascimento do bebê. Nosso DNA é o mesmo, em todas as células nucleadas do nosso corpo. Para o teste pré-natal de paternidade convencional o tecido fetal é obtido durante a gravidez com uma coleta de vilo corial (tecido placentário) ou punção do líquido amniótico.

1 – Período para realização: Entre 11 semanas e 14 semanas (através de Vilo Corial) e a partir da 14ª semana (através de Líquido Amniótico).

2 – Tipos de Perícias

· Paternidade Pré-Natal perícia SUPERIOR

Resultado verbal em 7 dias e escrito em 9 dias, após recebimento de todas as amostras biológicas.

· Perícia Pré-Natal tipo DNA TOTAL

Resultado verbal super-rápido em 3 dias e resultado escrito em 5 dias, após recebimento de todas as amostras biológicas.

· Perícia EXPRESS: havendo necessidade de um resultado muito rápido, favor consultar normas e valor do exame de paternidade em regime de urgência, com resultado verbal em apenas 24 HORAS, após a chegada das amostras ao Laboratório.

Teste de DNA Fetal em Sangue Materno

1 – Objetivo principal

Fazer a triagem (“screening”) de gravidezes para determinar se existe algum risco elevado do feto ter cópias extras (trissomia) ou faltantes (monossomia) dos cromossomos 21, 18, 13, X ou Y (convencional) e também para avaliação de risco para síndromes de deleção (ampliado). O teste é feito em uma amostra de sangue materno que contém DNA tanto da mãe quanto do feto. O teste pode ser realizado em gestantes de qualquer idade. Uma coleta bucal do pai é opcional, mas muito desejável, pois em alguns casos pode reduzir a necessidade de coletar uma segunda amostra da mãe. A amostra de DNA da mãe (e do pai, quando fornecida) é usada para comparação com o DNA fetal, o que permite a estimativa altamente acurada do risco fetal para as doenças listadas no item 3. Esse teste (“screening test”) é capaz de detectar mais de 99% das anormalidades cromossômicas estudadas.

2 – Período para realização: A partir da 10ª semana de gestação até o final da gravidez.

3- Principais indicações

Esta tecnologia foi validada em gestações únicas de alto risco para trissomias dos cromossomos 13, 18, 21, X e Y e por isso é indicada principalmente nas seguintes situações abaixo. Entretanto, cada caso deve ser analisado individualmente para que outras possibilidades possam ser estendidas.

  • idade materna avançada
  • alterações de outros marcadores no sangue materno
  • história pessoal ou familiar de aneuploidia
  • ultrassom anormal
  • desejo do casal que se preocupa com estas doenças

a) Teste Convencional

  • Trissomia 21: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 21 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Down.
  • Trissomia 18: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 181 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Edwards.
  • Trissomia 13: Causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo 13 e clinicamente é conhecida como Síndrome de Patau.
  • 45,X: A monossomia X é causada pela ausência de uma cópia do cromossomo sexual X e clinicamente é conhecida como Síndrome de Turner. Todas as afetadas são meninas.
  • 47,XXX: A trissomia X em mulheres é causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo sexual X e é conhecida como Síndrome do Triplo X. Todas as afetadas são meninas.
  • 47,XXY: A dissomia X em homens é causada pela presença de uma cópia extra do cromossomo sexual X e clinicamente é conhecida como Síndrome de Klinefelter.

b) Teste Ampliado: Além de todas as análises do Teste Convencional, inclui avaliação adicional de risco para 5 síndromes de microdeleção cromossômica comuns, graves e importantes:

  • Microdeleção 22q11.2 (síndrome de DiGeorge tipo 1 ou Velocardiofacial)
  • Microdeleção 1p36 (monossomia 1p36)
  • Microdeleção 15q11.2 materna (síndrome de Angelman)
  • Microdeleção 15q11.2 paterna (síndrome de Prader-Willi)
  • Microdeleção 5p- (síndrome de Cri-du-Chat)

4- Outras informações

Simplicidade

  • Obtido através de uma simples amostra de sangue materno executada numa fase ainda precoce da gravidez;

Segurança

  • Sendo um Teste não invasivo não apresenta risco nem para Mãe nem para o feto;
  • Realizado através de uma amostra de sangue materno;
  • Sem qualquer risco para o feto.

Exatidão

  • Elevadas taxas de detecção proporcionam exatidão e confiança para o descarte das principais trissomias fetais;
  • Taxa de falsos positivos extremamente baixa;
  • Resultados individualizados para o risco de existência das trissomias.
Atendimento Online

Dúvidas? Preencha seus dados para atendimento online.

Olá! Como posso ajudar?

Clique para enviar

Para mais informações

Seu nome (obrigatório)
Seu telefone (obrigatório)
Seu e-mail (obrigatório)
Seu interesse
Comentários
Você é um robô*

×

Para mais informações

Nome Completo:*

DDD*

Telefone*

E-mail:*

Cidade:*

UF:*

Área de Atuação:*

Curso de Interesse:*

Deixe aqui sua dúvida:

Você é um robô:*

×