Tratamento Cirúrgico do Teratoma Sacrococcígeo

INTRODUÇÃO

O teratoma é um tecido proveniente de uma ou mais das três camadas de células germinativas, tais como: endoderma, mesoderma, ectoderma. São células pluripotentes do “nodo de Hensen”, que é uma falha de migração e pode multiplicar-se em outros locais, como a região sacrococcígea. É o tumor congênito mais comum, apresentando incidência de 1 para 40.000 nascidos, sendo 75% destes pacientes do sexo feminino. São classificados de acordo com sua localização.

O diagnóstico em teratoma sacrococcígeo é feito pelos achados clínicos, dosagens de substâncias séricas, principalmente a alfa-fetoproteína. O diagnóstico é feito antes do nascimento através da ecografia gestacional. O prognóstico é habitualmente favorável, dependendo da idade do diagnóstico, das características anatomo-patológicas do tumor e da precocidade da ressecção cirúrgica. O tratamento quimioterápico tem indicação desde o início, naqueles pacientes em que não é possível a ressecção radical como primeira opção. A radioterapia tem um papel restrito e é empregada em casos especiais, como em alguns casos de tumores de sistema nervoso central. O parto cesariano está indicado em fetos com tumores de grandes dimensões, a fim de evitar distócia, hemorragia tumoral e avulsão do próprio tumor. A estreita colaboração entre todos os elementos numa abordagem pré-natal ativa contribui para um maior sucesso na avaliação do feto e da grávida, do planejamento anestésico-cirúrgico do nascimento, cuidados perinatais e cirurgia neonatal.

Por fim, conclui-se que é de fundamental importância incentivar o envolvimento de equipes multidisciplinares para o acompanhamento do feto e da gestante, com o intuito de assegurar vigilância e atenção rigorosas relacionados com o tema abordado nesse trabalho.

[contact-form-7 404 "Not Found"] ×
[contact-form-7 404 "Not Found"] ×